5
Jun 2019

No dia mundial do meio ambiente, recicle seu conhecimento

A partir de 1972, em Estocolmo, o Dia Mundial do Meio Ambiente começou a ser comemorado para promover atividades de proteção e preservação do meio ambiente. Aliado a isso vinha o alerta ao público e aos governos de cada país sobre os perigos de negligenciarmos a tarefa de cuidar do mundo em que vivemos.

Neste ano, queremos falar sobre limpeza urbana, descarte e reaproveitamento. É extremamente preocupante quão elevado anda o nosso consumo de produtos que são facilmente descartados e transformados em poluição, quando poderiam ser reciclados ou então reutilizados.

É aí que entra o conceito de reciclagem, tão popularizado, mas insuficientemente praticado. O descarte inadequado de resíduos deve ser combatido por todos nós para podermos manter nossas cidades livres de possíveis doenças, ao mesmo tempo que preservamos a natureza desse impacto de sujeira. Segundo Pesquisa Nacional de Saneamento Básico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são recolhidas no Brasil cerca de 180 mil toneladas diárias de resíduos sólidos!

Vamos virar esse quadro com algumas medidas simples? Mais que reciclar, podemos reutilizar e prolongar a vida do material. Afinal, o que para muitos é considerado rejeito pode ser reaproveitado como insumo por outros. Sabe aquela prateleira velha de MDF que não é mais útil para você? Não jogue fora: doe para alguém aproveitá-la da maneira que desejar. Mesma coisa papeis picotados que iriam para o lixo; doe para uma fábrica que vende caderninhos de páginas de papel reciclado, por exemplo. Assim, evitamos a repetição de ciclos de produção e nova geração de poluentes.

Experimente inserir as seguintes atividades na sua comunidade, hoje:

- Pinte um mural sobre a natureza;
- Ajude a limpar um parque público ou praia;
- Faça coisas com material reciclado;
- Plante uma árvore ou um mini jardim;
- Comece a separar o lixo para ser reciclado.

Tenha uma ótima comemoração, na prática, pelo Dia Mundial do Meio Ambiente!



Fonte: Instituto MRV
Compartilhe