11
Apr 2019

Não queira um filho só obediente. Queira um filho respeitoso

Uma criança obediente não é necessariamente uma criança feliz.

Ficou surpreso? Pois esta é a verdade: se a obediência é quase sempre alcançada por meio do medo (e isso é um fato), o melhor a se fazer é educar seu filho para que ele entenda sobre respeito, reciprocidade e empatia. E o que eles têm em comum é sua construção com base em afeto.

Pense em um comportamento tipicamente observado nas escolas, em que professores relatam crianças que se comportam violentamente na sala de aula e não respeitam os outros, deixando seus pais desconcertados por não imaginarem ou acreditarem que seus filhos se comportam assim. Afinal, em casa "são muito obedientes".

Aí é que mora o problema: educar os pequenos por meio do medo e da punição faz com que eles obedeçam, mas não com que se aprofundem no conceito de respeito. Ou seja, a criança obedece porque é obrigada, mas não entende o porquê de obedecer. Quando não demonstra comportamento destrutivo na escola, pode ser o contrário: se fecha, fica na defensiva e aparenta estar sempre com medo. De qualquer forma, o prejuízo vem da mesma fonte.

Comece refletindo que tipo de linguagem você usa com seu filho. Não é a mesma coisa dizer "cale a boca e pronto, você está incomodando" e "você pode ficar quieto agora, por favor? Mamãe está no telefone”. Se queremos que nossas crianças nos escutem, eles devem entender por que as coisas são melhores assim, por que devem se comportar respeitosamente com os outros, etc.

Pensando nisso, trouxemos algumas ideias para você por em prática em casa:

• Dê responsabilidades ao seu filho. Ele deve entender desde cedo à importância de fazer as coisas sozinho e cuidar de seus objetos pessoais, percebendo que é alguém capaz e que gera orgulho. 

• Debata com ele sobre as regras que você estabelece em casa. Explique por que ele deve observá-las.

• Se ele fizer algo errado, não grite ou o humilhe. Em vez de intensificar a negatividade, ensine-o a fazer as coisas da maneira certa.

• Tente entender suas emoções e ensine-o a canalizá-las e a entender esses processos internos. 



Fonte: Instituto MRV
Compartilhe